Thursday, September 4, 2008

.
.
.
.
.
uma melancolia a atravessar artérias desertas, interiores despojados .
.

.
.
um vazio, aqui e ali atravessado por uma figura ou objecto
.

quietude

.
.
.

é um silêncio ameno que se desprende das telas,

uma neblina feita de tons apaziguantes

.
como que um respirar regrado. um rumor de tranquilidade. apelo à introspecção

.

.
deserto em tons amenos, envoltos em névoa e sombra

magia

e poesia

.
a poesia do silêncio

.

.
.

Vilhelm Hammershoi, dinamarquês. 1864-1916
.

.

.


myspace layout

16 comments:

santiago said...

senti-me bem hoje ao passar por aqui...

teresamaremar said...

Visita que só posso agradecer :)

uma boa semana

Anonymous said...

Imagens tranquilas num regresso discreto depois de meses de silêncio. Boa escolha :-)
Fazia falta.

BL

Rui Luis Lima said...

Olá Teresamaremar!
A casa e o silêncio navegam nesta página como se fosse a tranquilidade reencontrada (quadros 2 a 5), enquanto lá fora a paisagem anuncia a chegada do inverno (quadro 1).
Beijinhos
Paula e Rui Lima

teresamaremar said...

Olá BL :)

obrigada pelas palavras

teresamaremar said...

Olá Paula e Rui :)

é isso mesmo, um Inverno que se anuncia e uma tranquilidade reencontrada :)

Obrigada :)

Beijo para ambos

Rui Luis Lima said...

Olá Teresamaremar!
Sabemos que "Il Resto de Nienta" / "O Resto de Nada" passou no festival de cinema italiano, mas não tivemos oportunidade de ir ver o filme da Antonieta de Lillo.
Beijinhos
Paula e Rui Lima

Rui Luis Lima said...

Olá Teresamaremar!
Ainda sobre o filme, que pensamos ainda nao possuir edição nacional, poderá sempre consultar o site:

www.dvdpt.com

que geralmente refere todos os lançamentos feitos no nosso país, possuindo ainda links para as diversas distribuidoras.
Beijinhos
Paula e Rui Lima

Zénite said...

a luz, a cor, as sombras, a doce neblina…
o suave nocturno tocado por pulcras mãos…
os harmoniosos silêncios…
a aprazível leitura…

num tempo sem ponteiros,
a paz desejada e merecida...

a palavra escrita…

eis a plenitude poética da apresentação
tecida pelas tuas mãos generosas.


abraço.

teresamaremar said...

Ahhh Zénite, as mãos generosas fizeram-me lembrar algo que a Agatha Christie disse... as mulheres nunca são boas, quando muito são generosas
:)algo a contrariar um título de filme que também lembrei, partindo dos aforismos do Oscar Wilde, Uma boa mulher

Rui Luis Lima said...

Obrigado Teresamaremar:) pelas informações que me deixou sobre essa aventura que será o Proust lido na internet, para além das sempre amáveis palavras do seu comentário.
Beijinhos
Rui Luis Lima

isabel victor said...

Uma sequência notável ...


e volto

Abraço


iv*

isabel mendes ferreira said...

despojadamemte BELO!!!!!


.



beijo.te.

teresamaremar said...

Olá I e Y :))

primeiro as minhas desculpas pela demora em publicar e responder, depois o meu obrigada.

Hammershoi esteve, este Verão, em exposição na Royal Academy of Arts, Londres. Uma encruzilhada de silêncios, das telas ao público, que não se atrevia a despertá-las.
:) uma coisa vertiginosa

beijo

Pedrita said...

belo texto e belas imagens. eu sou solteira, então tenho bastante tempo para a minha vida cultural, que se mistura um pouco com a minha vida profissional. mas eu não tenho 21 anos :) já passei uns bons anos dessa faixa etária. beijos, pedrita

teresamaremar said...

:)) já não temos 21 anos, o que também é bom,
adeus Quem sou eu? De onde venho? Para onde vou?

O bom da passagem dos anos é a resignação a muitas não-respostas :)

beijo Pedrita