Wednesday, August 8, 2007

Milagre Que Fez

.
. ex-voto português
.
.
Singelos quadrinhos pintados, a traço inocente.
Imagens de cor, legendas de duvidosa ortografia, que ignoram receitas académicas.
São ex-votos.
Pictóricos. De autoria quase sempre anónima.
Qualquer ponte com superstição é puro engano.
A superstição é domínio da magia, receita mecânica, poção, pacto ou talismã, em troca da qual se exige uma protecção. No domínio do sagrado, o ex-voto não é talismã ou amuleto, a concessão divina e a adoração dos homens conferem-lhe uma pureza exemplar.
.
.
ex-voto francês
.
.
Ex-votos eruditos há-os, poucos. São, essencialmente, crença de gente desprotegida, do campo e zonas piscatórias, raros os urbanos. Porque na aldeia se ficava mais perto de Deus que dos homens.
Encomenda feita a pintores locais, que sobre madeira ou folha de flandres, materiais mais frequentes, pontualmente a tela, deixam a sua arte, contam uma história. Decoram paredes de capelas e santuários, onde se suspendem, para que a mensagem passe, para que outros incite, para que o prestígio da entidade divina se consolide.
.
.
ex-voto italiano
.
.
A sua maioria apela à Virgem, que surge envolta em cenário de núvens, e aos santos, que atendem segundo graças específicas, mediadores que facilitam os excessos e familiaridades inconcebíveis em presença da Santíssima Trindade. Por vezes, quando na resposta tardavam, estes se castigavam, de cabeça para baixo, voltados para a parede, cobertos por um pano, dizendo da relação de familiaridade, do contrato com o divino. Prática de pedido-resposta.
.
.
ex-voto alemão
.
.
Código de cultura oral, testemunho social, histórico e artístico permitem-nos vislumbrar homens, mulheres e ambientes. Dão conta de enfermidades, dizem da época, do quotidiano, do trajar.
Promessas. Para seu cumprimento, ou pagamento, se ía em romaria, por vezes em dia de padroeiro, por vezes longe, pois que “santos à porta de casa não fazem milagres”. Ermos lugares, espaços do sagrado onde o profano se inscreve. Aí se reza, se come e bebe, se dança, convive. Em representações do ritmo.
.
.
ex-voto francês
.
.
Falam da doença. Do homem. Dos animais, garante da sobrevivência familiar.
Falam do acidente. Em casa. No campo. No trabalho. Na estrada.
Falam do naufrágio. No mar. No rio, que aí também ocorrem.
Falam de guerra.
Falam.......... de...
.

.
ex-voto mexicano
.
.
A fotografia terá determinado o seu fim. Muitos, contudo, sobreviveram, e tantos outros se perderam. Desgaste do tempo, factores atmosféricos, deficiência dos materiais de suporte, pigmentos de inferior qualidade, incúria e ignorância sobre eles agiram.
O pedido em momento de aflição. Vozes e preces. A graça concedida. A dor superada.
Ex-votos. Construção dramática de inspiração fresca e leve, numa profusão de cores e desejo verdadeiro. Mais do que relatos de vida e morte, testemunhos de fé e esperança. Narrativas de dor e de amor dependuradas em paredes austeras.
.
.
.

20 comments:

charlie said...

Aqui deixo também um ex-voto:

"Milagre que fez São Acaso
por ter-me iluminado os passos
na senda deste recanto.
Excelso no seu transbordar de qualidades.
Ex-voto por ter sido salvo.
Viajante agora em encantos,
de perdido no naufrágio
no mar das banalidades"

Ja sabes que irei ser visita constante:)

teresamaremar said...

Boa tarde Charlie

grata pelo "ex-voto" :) e pela visita

bettips said...

Omniolhos (para coisas importantes, pequenas). Piada eu ter-me já inquirido sobre ??? e comprado há duas semanas um postal desses (no MNA) e aqui ter ficado a saber mais...Hei-de passar-te o voto, com abraço.

Nilson Barcelli said...

Excelente abordagem, quer nas tuas palavras quer nos exemplos fotográficos que seleccionaste.

Obrigado pela tua visita e comentário. Ainda não vi mais nada do teu blogue mas, a julgar por este post, deverá ter interesse muito acima da média...

Bfs, beijinhos.

Frioleiras said...

ADORO !!!!!!!!!!!!!!!!!
à exaustão
os
ex-votos...

Em tps tentei começar a fazer colecção... aborreci-me... já gosto de tudo mais minimal !

De tudo nos fartamos !

triliti star said...

em boa hora por aqui passei.
aliás, é sempre assim.
mais um post que é uma maravilha, não só pela selecção das imagens como pelo que sobre elas se diz. na igreja do bairro onde nasci havia uma sala grande onde eles se alinhavam lado a lado ao longo das paredes. Fui a um velório há tempos e matando saudades percorri o interior e as salas: ex-votos, nem um.
senti um vazio enorme.
a sala pareceu-me completamente vazia.

infinito said...

uma delicia e tocante...tudo é perfeito neste blog...

bettips said...

Faço um voto: que passes a ver o que te deixei há dias...

rigoletto said...

Brilhante abordagem de um tema que, apesar de evidenciar a simplicidade do povo, exige domínio e conhecimento.

A minha ignorância nesta matéria é completa, mas procurarei estar mais atento.

Obrigado por estes momentos.

O Profeta said...

Errantes fragrâncias, soltas no dia
Tanta paz, tanta verdade incontida
Tanta fé, no caminho da vida
No céu, grito de pássaro de asa ferida



Profetico beijo

Saramar said...

Teresa, muito interessante e belo em sua singeleza.
São tocantes na intenção e na representação.
É tão bom aprender aqui com você!

beijos

Zénite said...

Como talismânicos e esmaecidos palimpsestos escorrendo indemnes das dobras de um tempo qualquer, jazendo, encourados, no âmago das arcas de todas as memórias.
São belos no seu solene e votivo silêncio, mas não os aprecio mais que ao teu magnífico verbo.


Sublime! Tudo!

Abraço.

teresamaremar said...

Bettips

já vi o teu ex-voto :) Obrigada

___________________________________

Fartamo-nos Frioleiras? Não creio, há gostos que se nos vão entranhando e vêm para ficar.

___________________________________

Nilson e Infinito

obrigada pelas palavras

teresamaremar said...

Triliti

eu sei de uma história curiosa... uma pequena aldeia, nos arredores de S. Pedro do Sul, cuja igreja está recheada de ex-votos, estes enchem todas as paredes da sacristia. Depois das obras encomendadas pelo respectivo pároco, ficaram nos seus exactos lugares, só que emparedados sob a nova parede de estuque.
É real? é!!!!

teresamaremar said...

Rigoletto

os pintores, apesar de na sua maioria naifs, acabavam, de facto, por se tornarem "experts" pois a isso se dedicavam em exclusivo.

Apesar do anonimato, torna-se, em alguns casos, fácil atribuir-se-lhes autoria, dados os traços comuns em exemplares encontrados numa determinada região, ermida ou dedicados a entidades divinas específicas.

Contudo, muitas vezes, se encontram obras destes artistas em lugares afastados, o que acontecia porque, uma vez que "santos à porta de casa não fazem milagres", os devotos encomendavam o ex-voto a um pintor da sua região e iam entregá-lo a uma entidade de um outro lugar.

É o que se passa com Carlos Massa, que muitos fez, e, dado curioso, não sabia escrever, as respectivas legendas fazia-as através de cópia.

teresamaremar said...

Profeta


Fé e Paz encontrada, resultado de percursos tantas vezes demorados e errantes. Ex-votos.

Obrigada pela sua visita

teresamaremar said...

Saramar

são singelos sim, daí a beleza inocente.


___________________________________


Zénite

alguns conseguiram dobrar o tempo, teimando persistir até hoje. Memórias são, silêncios votivos sim.


Obrigada a ambos

Bandida said...

o tempo dobra os azuis. transporta-os para a voz de desassossegos maiores. pedintes. frescos.


beijo teresamar.


B.

teresamaremar said...

Bandida

:) esse teu universo sempre tão azul...

beijo

Anonymous said...

Hey, I am checking this blog using the phone and this appears to be kind of odd. Thought you'd wish to know. This is a great write-up nevertheless, did not mess that up.

- David