Saturday, May 26, 2007

Primórdios da Arte Ocidental

..
Os pintores da Idade da Pedra fabricavam, eles mesmos, as suas próprias cores e materiais, usando da terra ao sangue, óxidos minerais, sumos de frutos ou flores, que transformavam em vermelho, castanho, amarelo ou preto.
Bisontes, touros, cavalos, antílopes aparecem correndo, perseguidos por silhuetas de homens. Pensariam eles que essas cenas de captura facilitariam a vida do caçador.
.

.
A Arte Egípcia influenciou os gregos que, por sua vez, influenciaram os romanos. Terá sido, assim, o início da Arte ocidental.
Os egípcios não pretendiam somente produzir obras de arte, a sua intenção maior era decorar o túmulo do seu faraó, dotando-o de todas as personagens que pudessem servi-lo, ainda, na sua outra vida. Criados dele cuidariam e lhe preparariam faustos repastos, músicos e poetas o distrairiam.
.
Túmulo de Nebamon, cena de banquete
.
As pinturas egípcias representavam sempre o homem mais alto que a mulher e com um tom de pele mais moreno, cabeça e braços, pernas e pés de perfil, contudo, o olho e os ombros eram representados de frente e os pés ambos esquerdos.
.

Túmulo de Nefertari (1300-1250 aC)

Só mil anos depois, os gregos, pela primeira vez, representam o pé de frente.
. Ânfora grega, 500 a.C.

.
A partir do séc. XV, em Itália, abandonam-se as formas de arte da Idade Média, num retorno às da Antiguidade Greco-latina, o renascer das formas clássicas acompanhadas da vontade de renascer a partir da descoberta e sede de descobrir.

.

25 comments:

Bandida said...

a sede da descoberta. em tudo. a criatividade.

belíssimo post, para não variar.

beijo

B.
________________________

Anonymous said...

Teresa
Seus textos valem ouro para mim!
obrigada!

belo domingo!
:)
elisabete cunha

triliti star said...

despretencioso e agradàvelmente instrutivo.
voltarei

isabel mendes ferreira said...

do reino antigo para a tua modernidade....grega e serena.


das terras de um mundo que renasce sob o teu olhar.



perfeito.



beijooooooooooooooooooo.

rigoletto said...

O que acho impressionante é ainda hoje ser possível ver os trabalhos da Idade da pedra com cores absolutamente espantosas, que resistiram a toda a passagem do tempo. E isso é tao espantoso quando comparamos com pinturas bem mais recentes que precisam de ser restauradas porque as tintas mudaram de tom, as cores baças.
Julgo que este "trajecto" que aqui mencionou, desde a Idade da Pedra até à Itália do século XV, mereceria um olhar mais extenso, abordando com mais profundida cada um dos períodos referidos. Mas também sei que blogue é blogue.
Fica aqui o desafio.

martim de gouveia e sousa said...

só agora fui a 11 e aqui revenho, agradecido. bjo.

teresamaremar said...

Boa noite Rigoletto

interessante a primeira parte do seu comentário, algo que nunca me tinha perguntado...
preservar-se-ão as cores de tais pinturas pela natureza dos pigmentos?
que por ser mineral se compatibilizava bem com a natureza?

os lugares onde tais pinturas eram realizadas, interiores de grutas, ao abrigo de agressões exteriores e dadas as condições de interior, ajudaram a essa preservação?
Vou-me informar, pois deixou-me curiosa.

A segunda parte, é mesmo um desafio, nada fácil pois pouco resta dos primórdios.
Vamos ver o que consigo fazer.

triliti star said...

ps - ainda não disse: a entrada deste blog encanta-me.

Saramar said...

Teresa, quando venho, não consigo sair mais. Tudo é tão bonito´e sereno.
É como se estivesse realmente entrando em um museu cheio de maravilhas e de encantamento.
Sem contar que estou aprendendo demais com um prazer muito grande.
Obrgiada.

beijos

Saramar said...

Teresa, voltei.
Coloquei o link do seu blog lá no Eufeminismos.

beijos

Rui Luís Lima said...

os seculos passam, os artistas partem, mas a arte da sua passagem é um sonho que nos permite viajar através do tempo olhando a beleza.***
bom fim-de-semana
paula e rui lima

Luís Galego said...

estas viagens pelo mundo da arte sabem sempre muito bem!!!

paulo said...

Agradecendo a visita, volto depois com mais tempo. Pintaste-me, na voltinha rápida que dei aos 3, vontades de mais. Até.

triliti star said...

acertaste completamente.

e obrigado.

Frioleiras said...

Que bem ... que se está no teu blogie... não apetece deixar...
e a música ... a DIVINA música..

Frioleiras said...

Fui atrás ler os outros comentários e vi (saramar) que sentiu , tb, q não lhe apetecia sair daqui....

Frioleiras said...

A propósito do teu post 2regresso ao passado.... lembrei-me, para além de Botero de
Yasumasa Morimura ...
vai ver...

http://images.google.pt/images?q=Yasumasa+Morimura&hl=pt-PT&um=1&sa=X&oi=images&ct=title

bj

F.

teresamaremar said...

Boa noite Frioleiras

fui ver. Velasquez, Leonardo, Frida...
:) obrigada porque eu não conhecia.

E as palavras acima, que posso dizer?

Ahhh Saramar... estou em divida para com ela, nem agradeci aqui, nem a visitei depois do que me deixou

Benvinda Frioleiras, obrigada

teresamaremar said...

Por vezes, há dias em que alguém surge, como que enviado, para trazer cor.
Frioleiras foi hoje uma boa chegada,
do seu blog trago, ainda, um outro espaço que sugiro seja visitado:
http://www.raycaesar.com/pages/home.html

Anonymous said...

Teresa

tenha uma linda semana!

elisabete cunha

Bandida said...

à tua espera. sentada no canto da palavra. à tua espera, teresamar.


beijo


B.
_______________________-

paula e rui lima said...

olá!
olhamos a Arte dos nossos antepassados e ficamos fascinados:)
nunca é demais recordá-la.
beijinhos
paula e rui lima

o alquimista said...

Ditosos são os amantes ao fim do dia, não deixam sombra na noite, trocam palavras, juras em harmonia, e o encanto floresce à cadência da palavra, explode no peito com fome de beijo, solto...

Bom fim de semana

Doce beijo

teresamaremar said...

Bom dia Alquimista,

ditosa visão essa de harmonia, assim fossem o mundo e as gentes, ausentes de sombras. Não são.

Obrigada por mais uma visita.

peregrino said...

Desde a arte dos tempos cavernosos do Paleolítico até à Arte Contemporânea, a eterna busca do bem fazer, do belo, enfim, da perfeição... perfeição, também, na arte do bem dizer, como a que nos trazes pela tua mão.

Belo, pois!

Abraço e votos de um bom 2008.